Programa de Eficiência Energética dos Mármores

 

Promotor –ASSIMAGRA

 

Descrição do Projeto:

O peso da fatura energética nos custos de exploração duma empresa do sector industrial dos mármores é habitualmente muito elevado, mesmo quando comparado com o peso de outros fatores de produção, nomeadamente mão-de-obra e matéria-prima. A gestão de energia é frequentemente negligenciada, facto que gera significativos desperdícios de energia e contribui para a redução da competitividade das empresas.

O conceito de Utilização Racional de Energia, surgido no seguimento dos chamados choques petrolíferos, veio alterar decisivamente a forma de encarar a energia, demonstrando ser possível crescer sem aumentar os consumos ou afetar a qualidade da produção. A chave da questão designa-se gestão de energia. Como qualquer outro fator de produção, a energia deve ser gerida contínua e eficazmente.

Embora o argumento da competitividade continue naturalmente a ser aquele que mais sensibiliza a generalidade dos industriais, a crescente pressão ambiental veio reforçar a necessidade de utilizar eficientemente a energia. Seja por imposição legal, seja pela necessidade de cumprir requisitos ambientais como forma de aceder a sistemas de apoio ou simplesmente por uma questão de imagem ou pressão da opinião pública, cada vez mais a eficiência energética está na ordem do dia. É para além disso unanimemente aceite que, mais cedo ou mais tarde, instrumentos políticos de mercado, como taxas ou impostos ambientais, introduzirão finalmente o princípio do poluidor pagador, penalizando fortemente as empresas menos preparadas. É assim que assumem particular importância o levantamento e a auditoria energética. Com efeito, qualquer processo de gestão de energia terá necessariamente que começar pelo conhecimento da situação energética da instalação. O princípio é óbvio - para gerir é indispensável conhecer o objeto de gestão.

O levantamento energético pode interpretar-se como a primeira radiografia ao desempenho energético da unidade fabril. Através dele, avalia-se quanta energia é efetivamente consumida e de que forma é essa energia utilizada, estabelecem-se os principais fluxos e identificam-se os sectores ou equipamentos onde é prioritário atuar.

A auditoria energética surge assim como um instrumento fundamental, que o gestor de energia possui para contabilizar os consumos de energia, a eficiência energética dos seus equipamentos e as perdas que se verificam, tendo como finalidade última reduzir essas perdas sem afetar a produção, isto é, economizar energia através do uso mais eficiente da mesma.

Paralelamente à realização de auditorias energéticas, consubstanciadas no estudo energético do sector dos mármores, será promovido o estudo de um modelo de fornecimento energético ao sector a partir de fontes renováveis, com vantagens inegáveis ao nível da sustentabilidade da geração de energia a longo prazo e da redução das emissões atmosféricas de poluentes.

Todas as conclusões e efeitos mais relevantes do projeto serão alvo de uma campanha de sensibilização e divulgação alargada, com vista ao desenvolvimento de ações de natureza semelhante em outras empresas.

 

Objetivos do Projeto:

Este projeto propõe a melhoria dos níveis de eficiência energética das empresas, apoiando as mesmas na procura de soluções na ótica de uma utilização energética eficiente, permitindo uma melhoria da relação entre o seu desempenho económico, ambiental e recursos envolvidos.